You are currently viewing Do que falamos quando falamos sobre ourivesaria

Do que falamos quando falamos sobre ourivesaria

Quem conhece a Ieta sabe que somos uma joalheria artesanal e que nossas peças são confeccionadas em prata. Neste texto, vamos explicar o que, de fato, queremos dizer quando falamos sobre joias artesanais e, também, sobre como se dá o processo de concepção de nossas peças.

O que é uma joalheria artesanal?

Uma joalheria artesanal é aquela que produz suas peças sem a utilização de meios sofisticados ou técnicas industriais, trabalhando com peças exclusivas e pequenos lotes ao invés de produções em massa. O profissional que produz joias desse tipo é chamado de ourives.

A ourivesaria é o ofício de se trabalhar com metais preciosos, especificamente a prata e o ouro. Através de técnicas similares à escultura e com o uso de ferramentas, o ourives é capaz de confeccionar joias e ornamentos.

É uma arte milenar que acompanha a história das civilizações e também se modifica através do tempo. Os antigos egípcios já haviam desenvolvido técnicas complexas de manejo de metais com as quais produziam peças com alto nível de detalhe. A ourivesaria é uma das profissões mais antigas do mundo, surgida, supõe-se, junto com o desenvolvimento do manejo de metais.

O nosso processo

Na Ieta, produzimos nossas peças através das técnicas de ourivesaria antiga. Temos a prata como base de nossa produção e também pedras e outros elementos naturais na composição.

Pingente em prata sendo desenhado no papel

O processo começa antes mesmo do derretimento da prata. A primeira etapa é a concepção das peças. Nossas designers imaginam as peças e esboçam suas formas no papel. Depois, dá-se início ao método clássico que passa, basicamente, por seis etapas:

A FUNDIÇÃO é a primeira e uma das mais importantes das etapas. A prata chega em sua forma bruta e tem que ser derretida e remodelada na forma de uma barra. A fundição é também o momento em que determinamos a liga da prata, se será 925 ou 950. Isto diz respeito ao grau de pureza e de maleabilidade da prata. Quanto mais próximo de 1000, mais pura é a prata, no entanto, mais macia. Em geral utilizamos a liga mais corriqueira do mercado, 925, que nos entrega uma dureza apropriada para que as joias sejam belas e resistentes.

Com a prata em forma de barra, passamos para a etapa de PREPARAÇÃO. Transformamos a barra em lâminas, chapas e fios com a espessura adequada à determinada peça. Para isso é usado diversos equipamentos, pelo qual a barra é aquecida e submetida à pressão para que se molde ao formato mais adequado ao trabalho.

Peças de prata sendo adequadas ao esboço

Em seguida, na etapa de MOLDAGEM a peça é recortada, dobrada e martelada. Aqui, a joia começa a apresentar os aspectos finais. É quando pode-se ver a prata se tornando um anel, um pingente ou brinco, por exemplo. Junta-se a essa etapa a SOLDAGEM, que faz com que a peça feita parte por parte se torne uma só peça. É quando são acrescentados os detalhes e fixados os demais elementos.

Por fim, o ACABAMENTO é trabalhado para garantir a beleza da peça. Através do uso de equipamentos para ajuste e polimento, a joia finalmente atinge seu estágio final.

Aqui na Ieta, temos o compromisso de cumprir todas essas etapas com atenção e empenho, de forma que nossas joias possam passar a fazer parte da vida de nossos clientes permanecendo sempre belas e duradouras. Você pode conferir a qualidade das nossas peças aqui no site e no Instagram. Você tem alguma dúvida sobre o processo e a qualidade das peças? Entre em contato conosco.

@ietajoias

Deixe um comentário